Vaquejadas > Artigos home | voltar
Artigos
Sobre a Vaquejada
Vaquejadas - Datas
Fotos
Vídeos
Garanhões
Enquetes
Rankings
Resultados
Regulamentos
Locutores
Juízes
Agênda Telefônica
Classificados
» Resultados
» Datas
» Pontuação
ESCOLHA OS MELHORES DO ANO 2012 NA BAHIA
PARTICIPE!
Cadastre seu e-mail e acompanhe as novidades.
Visitas 4.269.151
Usuários Online 14
Qtd. de Fotos 3644
Qtd. Vaquejadas 756
Artigos
A VAQUEJADA DE AMADOR NA BAHIA.
Autor: Valmir Veloso

   A VAQUEJADA DE AMADOR NA BAHIA.

 

     No início de 1990, quando comecei a praticar Vaquejada o esporte era bem diferente: não   existia categoria amadora, podia correr na baiana (cavalo de esteira e de puxada juntos lado a lado fechando a porteira), podia bater no boi para fazer-lo correr ou retornar,  na sexta-feira tinha bolão para afiar os cavalos, a corrida começava no sábado e em algumas festas faziam o bolão dos patrões. Os patrões e iniciantes que se arriscassem a correr, tinham que competir com os craques da época. Na grande maioria das vezes entravam só para engordar o prêmio dos vaqueiros profissionais. No período de 1992 a 1994, no Ceará, Rio Grande do Norte e Pernambuco criou-se a categoria de amadores com suas respectivas Federações. O vento soprou em direção da Bahia e trouxe notícias deste marco na vaquejada.  E por volta de 1996 um sergipano erradicado na Bahia, Vilson Matos Aragão, comprou na mão de Pedro Hugo 30 senhas nas vaquejadas de Itaberaba, Coité e Conceição da Feira, selecionou 30 vaqueiros que Ele considerava amador e tornou-se o pai da vaquejada amador da Bahia.  O  sucesso foi tamanho que 30 senhas não eram suficientes, então  Vilson juntamente com os amigos Aníbal Celestino ( Telinho ), Dimas Campos, Leonardo Barreto ( Dr. Leo ), Tuca Campos e Dr. Marcos de Jacobina reuniram mais pessoas e criaram a Federação Baiana de Vaquejada – FEBAVA.

     A FEBAVA  tinha uma comissão que julgava os amadores, conforme seu estatuto vigente, e nas vaquejadas da Bahia que aceitassem a sua participação ela cobrava uma taxa de administração para sua  manutenção e pagamento da premiação final que era bem atrativa. Conseguiu participar das maiores Vaquejadas da Bahia, aumentando inclusive o número de senhas, pois quem antes ficava assistindo na arquibancada passou a competir. O amadorismo na vaquejada virou febre e fonte de renda certa. O número de senhas dos amadores ultrapassou a dos profissionais e a premiação cresceu. Então os donos de Parque passaram a fazer suas próprias corridas de amadores, com suas próprias seleções e enfraqueceram a FEBAVA e cessaram sua participação no mundo das Vaquejadas.  Com a saída da FEBAVA  do cenário as grandes corridas passaram a ter um problema, a investida de Vaqueiros Profissionais  querendo correr na categoria amador, visando ganhar a premiação que se tornou muito boa. Voltou – se então ao principio, onde o iniciante e o patrão engordavam o prêmio do profissional.

     Alguns grupos surgiram lutando pela causa do amadorismo: Clube dos 30, VAFS (Vaqueiros Amadores de Feira de Santana), Circuito da Chapada, Circuito Linha Verde e vaquejadas  outras só para amadores.  Neste ínterim a Vaquejada baiana cresceu e as festas passaram a começarem na quinta-feira e terminarem na segunda-feira, fato este que começou a incomodar os amadores, pois devidos suas atividades laborais muitas vezes abandonam a disputa sem competir para encararem suas responsabilidades. Por causa deste fato grupos de festa de vaquejada amador cresceram, com início no sábado e termino no domingo pela manhã o que vem agradando em muito os participantes e familiares. Recentemente em março de 2010, por iniciativa de Pedro Hugo, Tiago Ramos e Dr. Jacier Flor foi criada a Associação Baiana de Vaquejada – ABV, que com estatuto pautado na ASQM de Sergipe e ABQM vem revolucionando a vaquejada amador com boa aceitação e crescimento no cenário esportivo. Nasceu para fazer a diferença.

     Com esta pequena explanação sobre um pouco da história da vaquejada amador na Bahia, quis aqui homenagear e reverenciar estes lideres, dentre os quais modestamente me incluo, pois mudaram a história  da vaquejada baiana. Portanto quando vocês passarem por eles nos retornos das vaquejadas da vida os cumprimentem, pois nós amantes do esporte devemos muitos a eles com suas idéias e coragem para mudar. Obrigados  a todos vocês que fizeram e ainda vão fazer da vaquejada um esporte melhor. Não citarei nomes, pois posso cometer alguma injustiça por omissão. “Vocês são diferentes”.

 

 

 

 

 

 

 

 

 
Listagem Completa
NUTRIÇÃO DE EQUINOS | Autor: www.valerianascimento.com.br
Quem Não Conhece Linhaça Desconhece o Cavalo | Autor: Valmir Veloso
Mormo ( Lamparão ) | Autor: Desconhecido
A VAQUEJADA DE AMADOR NA BAHIA. | Autor: Valmir Veloso
Vícios de estábulo Confinamento, falta de exercício e má alimentação | Autor: Desconhecido
Problemas Ortopédicos | Autor: Desconhecido
BAMBEIRA OU MIELOENCEFALITE POR PROTOZOÁRIO. | Autor: Valmir Veloso
O QUE PRECISA MUDAR NA VAQUEJADA? | Autor: Valmir Veloso
Laminite II | Autor: Valmir Veloso
LAMINITE | Autor: Valmir Veloso
HYPP - Essa doença pode matar seu cavalo! | Autor: Valmir Veloso
Educação Eqüestre | Autor: Valmir Veloso
FEBRE MACULOSA - Conheça os aspectos técnicos | Autor: Valmir Veloso
Prevenção das doenças respiratórias em eqüinos | Autor: Desconhecido
MORMO | Autor: Valmir Veloso
O Mito DashFor Cash | Autor: Valmir Veloso
Alfafa: a grande forrageira | Autor: Desconhecido
NO FUNDO, UM PURO SANGUE INGLÊS | Autor: Valmir Veloso
SOBRE AS PELAGENS DOS EQUINOS - Genética ou Alquimia | Autor: Valmir Veloso
O CAVALO DE SERVIÇO | Autor: Valmir Veloso
 
| 1 de 2 |  Próxima Página »
 
Grupo Rebeca Guerra
Rancho 2 Irmãos
Haras Vaca Branca
Fazenda São Francisco
Clinilab - Hospital de Equinos
Haras OK
Fazenda Roma
Thomas
Fenos do Lago
Alumiarte Troféus
M18 Sonorização
Casa dos Implementos
Clínica do Rancho
Haras LC
Bis Vídeo - Stúdio Profissional (75) 9972-0280 / 9169-0124 / 8848-7450 Copyright © 2006 - 2014. Desenvolvimento: Linceweb